Ato Nacional lança Liberdade e Luta e impulsiona campanha contra a Lei da Mordaça

Liberdade e Luta

leinacO Ato Nacional da Liberdade e Luta Contra a Lei da Mordaça aconteceu no dia 25 de junho na Associação dos Professores da PUC-SP (Apropuc) e contou com a presença de jovens vindos de diversos estados. O clima de ânimo marcou a atividade que debateu a Lei da Mordaça e definiu os próximos passos para combater os projetos da ONG Escola Sem Partido.

Pela anulação do processo administrativo contra o professor Thiago Rodrigo da UFG

Liberdade e Luta

ufgO professor Thiago Rodrigo, mestre em filosofia da UFG, está sendo perseguido por suas posições políticas pela administração da universidade. O argumento para a realização de um processo administrativo contra o professor é uma farsa, acusam ele de ter copiado duas chaves para o Diretório Acadêmico de Filosofia.

Ocupação da Reitoria da UTFPR: Vitória dos estudantes do ensino técnico de nível médio

Liberdade e Luta – Núcleo Curitiba/PR

tecprOs estudantes da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) ocuparam a Reitoria da Instituição no mês de junho e conquistaram uma série de reivindicações. Esse é mais um exemplo de vitória dos estudantes a partir da luta organizada. 

Ato Nacional da Liberdade e Luta Contra a Lei da Mordaça

Liberdade e Luta

mordnac

NESTE SÁBADO, AO LADO DA PUC-SP!

Os ditos “representantes do povo” tentam atacar a liberdade de expressão de professores e estudantes, impedindo a discussão política no espaço escolar e, por consequência, a ação do movimento sindical e estudantil. Este retrocesso é impulsionado pela ONG “Escola Sem Partido” e levado adiante por vereadores e deputados de todo o Brasil.

A Liberdade e Luta faz um combate nacional contra essa lei absurda que representa um retorno à Idade Média e fará um ato para organizar essa luta. Participe!

ASSISTA AO VÍDEO!

Somos todos Oaxaca. Abaixo a repressão!

Liberdade e Luta

soxProfessores de Oaxaca foram brutalmente reprimidos pela polícia ontem (19), no México. No total foram 6 mortos, 91 feridos e 21 presos. A repressão aconteceu quando uma estrada na cidade de Nochixtlan foi fechada. O bloqueio organizado, com o apoio das comunidades locais, servia para evitar que a Polícia Federal chegasse à capital de Oaxaca, onde professores tinham levantado um acampamento. 

Inscrever-se em