Universidade de Warwick (Inglaterra) propõe esquema para estudantes desfavorecidos: nós dizemos educação gratuita, para todos, agora!

MARXIST STUDENT
pexels-photo-1370295-1140x641.jpeg

Recentemente, a Universidade de Warwick anunciou que implementaria um novo esquema para estudantes desfavorecidos de toda a região de West Midlands. O esquema, chamado “Warwick Scholars”, custaria £10 milhões por ano e visa melhorar as perspectivas de admissão de estudantes talentosos que moram em áreas desfavorecidas ou são de grupos desfavorecidos (ou seja, pessoas sob o cuidado das autoridades locais, com refeições escolares gratuitas, tendo uma doença crônica, etc). Isso não é de modo algum insignificante. £10 milhões estão perto de um quinto do rendimento anual da universidade em 2017-2018 (o valor total era de £56 milhões).

Stuart Croft, vice-chanceler da universidade, anunciou que entre as medidas a serem introduzidas, haveria uma redução nos requisitos de entrada para alunos de nível A em até quatro pontos. Além disso, os alunos inscritos no programa terão suas mensalidades reduzidas pela metade, e receberão uma bolsa de£ 2.000 por ano. Isso além de outras bolsas para as quais os estudantes serão elegíveis.

Este movimento não é tão desinteressado ou caridoso como pode parecer. A administração da universidade tem seus próprios interesses para fazê-lo. Recentemente, a universidade sofreu um sério problema de imagem em relação ao escândalo do chat em grupo, o que provavelmente reduziu a atração de futuros alunos para aquela universidade. Além disso, com a possibilidade de Brexit em um futuro não muito distante, a universidade teme perder uma lucrativa fonte de renda na forma de mensalidade de estudantes estrangeiros, uma vez que se torna mais difícil para os estudantes da UE virem ao Reino Unido para morar e estudar.

Longe de ser a medida benevolente e filantrópica do modo como está sendo apresentada, é um cálculo frio por parte de uma administração superior em pânico, desesperada para encontrar uma maneira de manter, e até aumentar, sua fonte de renda. Com as universidades sendo cada vez mais administradas como negócios como resultado da marketização, essas medidas são claramente projetadas para maximizar o número de potenciais “consumidores” na forma de estudantes, mas não tanto para melhorar a qualidade da educação como atualmente existe.

A evidência de que isso é efetivamente impulsionado por preocupações corporativas é dada pelo próprio Croft:

“Na nossa região, não somos bem sucedidos o suficiente para apoiar os jovens com talento. Quando eles são bem sucedidos, perdemos muitos desses estudantes para Londres. Então, uma das coisas que queremos fazer é tentar ajudar a construir um grupo de pessoas que tenham sucesso e permaneçam na região e contribuam para seu sucesso social e econômico.”

A queixa de Croft e da administração da universidade é que estudantes talentosos que poderiam estar contribuindo com sua renda para a Universidade de Warwick estão se mudando para a capital mais promissora, onde há muito mais oportunidades de emprego lucrativo.

Por mais generosas que sejam as medidas da universidade para ajudar estudantes desfavorecidos, elas não chegam nem perto de resolver as questões estruturais por trás da incapacidade de jovens de origem desfavorecida de frequentar universidades de prestígio como Oxford, Cambridge e Warwick. Afinal, o esquema da universidade não diz nada sobre como pretende ajudar aqueles que não têm a sorte de se enquadrarem em sua definição de "estudantes talentosos", significando que, na melhor das hipóteses, apenas alguns milhares dos milhões de jovens carentes que existem em todo o país se beneficiarão.

As estatísticas mostram que, mesmo na escola primária, a diferença entre os alunos desfavorecidos e os seus pares em termos de letramento, leitura e matemática é significativa. Essa lacuna permanece em vigor durante todo o ensino médio, ao final do qual, os alunos mais desfavorecidos são dois anos de aprendizado por trás de seus pares.

Enquanto isso, uma pesquisa recente da Ipsos Mori descobriu que a proporção de alunos de famílias de “baixa renda” que se vêem indo para a universidade diminuiu devido ao aumento das mensalidades.

Em vez de gastar dinheiro ajudando um punhado de estudantes individuais de meios desfavorecidos, o que é necessário é um Serviço Nacional de Educação, financiado publicamente, uma proposta que foi apresentada pelo Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn. Isso implicará a incorporação de todas as universidades internamente e a reversão total de toda a privatização, além de uma reversão de todos os cortes feitos na educação nos últimos anos. Isso envolverá a eliminação de mensalidades e a universidades gratuitas para todos, além de permitir que estudantes maduros retornem ao ensino superior em qualquer momento da vida, sem precisarem se preocupar em pagar uma fortuna. Isso deve ser feito em conjunto com uma reversão completa de todas as outras formas de austeridade que mergulharam tantos jovens em um estado de privação. Precisamos de educação gratuita, financiada por expropriação.

Esquemas generosos, como os apresentados por Warwick e agora Oxford, servem apenas como esparadrapo em um sistema educacional inerentemente quebrado. A essas universidades, que são efetivamente corporações, não pode ser confiado o financiamento de oportunidades para jovens. Isso é algo que eles só vão considerar fazer se aumentar suas margens de lucro. Caso tais esquemas não o façam, eles muito provavelmente serão abandonados. Além disso, eles continuam a desperdiçar milhões em brilhantes edifícios novos, esquemas corporativos e salários de vice-chanceler que não beneficiam de nenhum modo os estudantes, mas trazem muito dinheiro para alguns indivíduos gananciosos. O que é necessário, então, é a eleição de um governo trabalhista liderado por Corbyn em um programa socialista.

 

Tradução de Fernando Santos da Silva

Texto original disponível em: http://marxiststudent.com/warwick-uni-proposes-scheme-for-disadvantaged-students-we-say-free-education-for-all-now/

Data post