Só um dia de Greve Geral é pouco!

Esquerda Marxista e Liberdade e Luta
1493303188_266659_1493303783_noticia_normal.jpg

     

 Por uma greve geral duradoura para enterrar a reforma da previdência, derrubar Bolsonaro, Mouro e                                                                                        companhia!

Quem não lembra da Grécia quebrada pela crise nos últimos anos? Lá como aqui, as centrais sindicais não faziam a luta pra valer. Em vez de convocarem uma Greve Geral por tempo indeterminado, que em menos de uma semana colocaria abaixo qualquer governo e reverteria todas as maldades que o congresso grego votou contra o povo, lá também convocavam essas greves gerais de apenas 1 dia de duração. Foram mais de 40 greves gerais de 1 ou 2 dias de duração num período de 5 anos. Isso não resolve nada! 
Aqui, enquanto os partidos burgueses que dominam o Congresso Nacional vão avançando para aprovar o fim da aposentadoria dos brasileiros, os partidos de esquerda, de oposição ao Bolsonaro, que são os que dirigem as centrais sindicais, fingem que fazem o combate chamando uma greve geral de apenas 1 dia e, pelas costas do povo trabalhador, querem negociar emendas na proposta de reforma do Bolsonaro. 
É por isso que os partidos que compõem o “Fórum dos Partidos de Oposição” (PT, PCdoB, PSOL, PDT e PSB) se reuniram no dia 22/05 para definir centralmente a linha de sufocar o nascimento de um movimento nacional “Fora Bolsonaro”. Mesmo depois da Vaza-Jato (publicação do site Intercept de vazamentos de conversas espúrias 
entre juízes e procuradores da Operação LavaJato), que deixou claro que as eleições de 2018 foram fraudadas e Bolsonaro só conseguiu se eleger por isso, esses partidos que pretendem ser oposição ao Bolsonaro continuam se recusando a dizer “Fora Bolsonaro”. Agora é que se deveria aumentar o tom da crítica e inclusive exigir a anulação da Lava-Jato, da condenação de Lula e das eleições do ano passado! 
A “oposição” deixou cair a máscara ao votar o crédito que Bolsonaro pediu (249 bilhões) em troca de diminuir o corte na educação de 7 para 6 bilhões! Todos os governadores da oposição, com uma ou outra nuance defendem que deve se fazer “uma reforma da previdência”. 
É preciso dar passos para superar essas direções atuais do movimento, construir a unidade real, sobre a base dos interesses imediatos e históricos da classe trabalhadora, para reverter os cortes na educação, para enterrar a privatização da previdência e pôr abaixo o governo Bolsonaro. Para isso, uma Greve Geral de apenas 1 dia é insuficiente. A Greve Geral deve começar e não ter data pra acabar, até derrubar o governo! Isso abriria uma situação revolucionária no Brasil que poderia mudar toda a sociedade! 

Texto do panfleto que a Liberdade e Luta e a Esquerda Marxista estão distribuindo nesse 14/06!

Data post