Bolsonaro é genocida?

fvgxdgfdxb

Cassio Eduardo
dfgsdfg
Foto: Revista Forum 

Para responder essa pergunta precisamos entender qual é o significado do conceito de genocídio. “Geno” vem do grego e quer dizer povo, grupo étnico. Já “cídio” vem do latim e significa morte ou extermínio. Ou seja, o real significado da palavra genocídio, é extermínio étnico.

Tá, mas o que isso quer dizer na prática?

Quer dizer que uma política genocida ou uma pessoa genocida é aquela que busca exterminar um grupo étnico, independente da classe social dos indivíduos que fazem parte dessa etnia.

Na história, temos como exemplos os genocídios do povo Armênio, dos judeus, o holocausto e poderíamos citar também o extermínio dos diversos povos indígenas no Brasil.

Tendo em vista a definição do conceito, Bolsonaro não é genocida. A política de seu governo não é de extermínio dos brasileiros ou de todos que residem aqui.

Mas, sim, podemos e devemos considerar o governo Bolsonaro como responsável por realizar uma política assassina, assassina da classe trabalhadora. Como explicou Engels em “A situação da classe trabalhadora da Inglaterra”:

Quando a sociedade põe centenas de proletários numa situação tal que ficam obrigatoriamente expostos à morte prematura, antinatural, morte tão violenta quanto a provocada por uma espada ou um projétil; quando ela priva milhares de indivíduos do necessário à existência, pondo-os numa situação em que lhes é impossível subsistir… quando ela sabe, e está farta de saber, que os indivíduos haverão de sucumbir nessa situação e, apesar disso, a mantém, então o que ela comete é assassinato… não parece um assassinato… a morte da vítima parece natural… entretanto não deixa de ser um assassinato .”

O vírus da Covid-19 não faz distinção de classe social, já a política do governo Bolsonaro faz esta diferenciação. O mesmo acontece com os governadores e prefeitos, que, apesar de se colocarem como opositores de Bolsonaro no discurso, na prática aplicam as mesmas políticas do governo federal. Uma política negacionista, que se recusa a fazer uma vacinação rápida e de toda população mesmo com condições e dinheiro para isso, e que realiza lockdowns de mentira, em que os transportes continuam lotados e as escolas funcionando.

O resultado de todas essas políticas são, na prática, de assassinato dos trabalhadores, pois de nada adianta o decreto de lockdown se a classe trabalhadora tem que escolher entre morrer de fome ou sair para trabalhar, em busca de renda.

Enquanto isso, os grandes empresários e banqueiros fazem o seu isolamento em suas mansões e praias particulares; seus filhos não vão para escola pois estão sob cuidados 24 horas por babás. Enquanto os trabalhadores, muitas vezes, não têm outra alternativa senão levar os filhos para se aglomerarem nas escolas, pois não têm com quem deixar enquanto são obrigados a trabalharem presencialmente.

Então, a resposta da pergunta do título deste texto é: não, Bolsonaro não é genocida, mas seu governo faz uma política assassina da classe trabalhadora. Para barrar isso só há um caminho, como disse Marx: a emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores.

Por isso, convido todos a conhecer a Esquerda Marxista e construir junto conosco a luta para pôr abaixo o governo de Bolsonaro e construir um governo dos trabalhadores, sem patrões nem generais!

  • Abaixo o governo Bolsonaro já!
  • Lockdown e vacina para todos já!
  • Por um governo dos trabalhadores, sem patrões nem generais!
Data post