Manifestação contra a Lei da Mordaça na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Liberdade e Luta

Faixa da Liberdade e LutaA Lei da Mordaça foi tema de manifestação nesta segunda-feira (4/7), ao meio dia, em frente ao campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) de Joinville. Estava agendado para este horário um debate entre o deputado federal pelo Rio Grande do Norte, Rogério Marinho (PSDB), e o vereador de Joinville, Adilson Mariano (PSOL). Marinho é autor do projeto de lei 1411/2015, que criminaliza e propõe pena de prisão para professores que expuserem ou permitirem a exposição de posições ideológicas em e políticas em sala de aula. Mariano é militante da Esquerda Marxista e apoia nacionalmente a campanha Contra a Lei da Mordaça, da organização de juventude Liberdade e Luta.

O debate não ocorreu, porque o deputado desmarcou poucas horas antes. Ainda assim, jovens, líderes de movimentos sociais, sindicalistas e trabalhadores fizeram um ato contra o posicionamento de Marinho. Além do projeto dele, há mais dois no Congresso Nacional, que também dizem combater a “doutrinação” dos professores. Outras propostas com teores parecidos tramitam em Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores de vários lugares do país. Todas seguem a minuta de projeto elaborada pela ONG Escola Sem Partido, liderada por Miguel Nagib, apoiada nacionalmente pelo ator pornô Alexandre Frota e pelo grupo Revoltados Online.

Esses projetos defendem os conceitos etéreos de imparcialidade e neutralidade. “Recuso-me a ser imparcial ao ensinar sobre Hitler, Stálin e Mussolini”, disse a professora da rede estadual de ensino, Maritania Camargo, na manifestação de hoje.

Em Joinville, a vereadora Pastora Leia (PSD) é autora do projeto de lei 221/2014, que propõem o programa Escola Sem Partido na cidade. A Liberdade e Luta tem mobilizado pela retirada do projeto da Câmara de Vereadores. O Conselho Municipal de Educação já afirmou que se posicionará contra o projeto e ele voltará a ser discutido no Legislativo nos próximos dias.

O militante da Liberdade e Luta, Evandro Colzani, lembrou que o projeto do deputado Marinho é ainda pior do que o da Pastora Leia, pois, se aprovado, o professor também não poderia permitir que terceiros emitissem opinião, o que impactaria os grêmios escolares. A presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Joinville e Região, Mara Tavares, considerou o projeto como um retrocesso violento. “É uma repressão aos professores, aos alunos e consequentemente a toda a sociedade”, disse.

Veja mais fotos do ato.

Data post