USP perde professores e escancara cada vez mais sucateamento da universidade

Evelyn Gonzalez
usp

Desde 2014 a USP perdeu cerca de 354 professores. Segundo dados da Associação dos Docentes da USP (ADUSP), para voltar ao patamar de 2014, é necessário repor a contratação de 499 docentes efetivos, isso sem incluir as aposentadorias.

Ainda segundo dados recolhidos pela ADUSP:

A execução de Marielle reacendeu a luta das massas

Liberdade e Luta - RJ
massas

Entre a tristeza quanto à morte da companheira de lutas Marielle, brotou o sentimento de classe em todo o mundo de que é preciso uma resposta. No centro da questão está o fato de que Marielle não teve medo de usar a tribuna da câmara de vereadores e suas redes sociais para fazer denúncias contra o aparelho repressor do Estado burguês.

Vereador de Joinville quer toque de recolher para jovens

Aline Seitenfus
cvj

O presidente da Câmara de Vereadores de Joinville (CVJ), Fernando Krelling (PMDB), é responsável por trazer, novamente, para a cidade um projeto de lei que busca instituir o toque de recolher. O PL 468/2017 “veda” a circulação e permanência de menores de 14 anos em espaços públicos no período entre 23 horas e 5 horas.

PIBID fica, Temer sai!

Nathália Kons*
pbid

Os ataques do governo de Michel Temer e do Congresso Nacional à educação continuam e se aprofundam desde o ensino básico ao ensino superior, reduzindo recursos, sucateando escolas e universidades, cortando na carne dos estudantes os investimentos públicos com a clara intenção de restringir o acesso ao ensino às instituições privadas, enquanto precariza a educação pública.

O que é o MBL e o que ele defende?

Evandro Colzani
mbl

Criado em novembro de 2014, o Movimento Brasil Livre (MBL) atingiu certa popularidade durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff e, mais recentemente, nos casos da exposição QueerMuseu, financiada pelo Santander, e da performance de um artista nu no Museu de Arte Moderna (MAM). Mas não são apenas as pautas “polêmicas” que explicam a fama desse movimento.

Lutar pela liberdade e pela revolução

Liberdade e Luta
res3

Iniciamos este ano nos referenciando na luta de milhares de jovens e trabalhadores que tentaram mudar o mundo em 1968. Os ventos revolucionários que sopraram na França, no México, no Vietnã, nos Estados Unidos, no Brasil e em tantos outros países nos deixaram valiosas lições que permanecem mais atuais do que nunca na luta por uma sociedade socialista.

Inscrever-se em