Terceiro dia do Acampamento discute a prática da Liberdade e Luta

lahs

 

Bruna dos Reis

tercDepois de acordar ao som de Bella Ciao, executada pela comissão de alvorada, os mais de cem jovens que participavam do Acampamento Revolucionário, organizado pela Liberdade e Luta (LL), se dividiram em três grupos de trabalho, conforme sua experiência militante: Secundarista, Universitário e Movimentos Sociais.

A manhã de sábado (28/1) começou com um rápido informe dos responsáveis por sistematizar a discussão em cada grupo. Logo em seguida, os presentes apresentaram suas experiências,  propondo novas ideias para intervirmos este ano em cada escola e universidade das cidades onde possuem núcleos da Liberdade e Luta.

Após a discussão nos grupos, os jovens retornaram ao plenário para apresentar os encaminhamentos. O GT Movimentos Sociais, coordenado por Felipe Araújo, propôs atividades sobre a história do dia 8 de março - Dia Internacional da Mulher - e as formas de luta das mulheres trabalhadoras contra o machismo. Em maio, haverá atividades sobre o racismo e e mais textos políticos serão escritos sobre o combate a LGBTfobia.

Os universitários recepcionarão os calouros com um manual que explique as dificuldades de cada instituição, as entidades estudantis existentes (DCE’s, CA’s) e a importância do movimento estudantil organizado. Também será organizada uma atividade preparatória das delegações da LL ao Congresso da UNE, explicando a necessidade de recuperar essa entidade para as pautas que colocam a juventude em movimento, como a luta por vagas para todos na universidade pública e gratuita.

O mesmo farão os secundaristas, em relação ao congresso da UBES. Além disso, ajudarão a montar grêmios combativos em cada escola, organizando discussões sobre os ataques que se aproximam, como a Reforma do Ensino e a Lei da Mordaça.

No período da tarde, o debate foi sobre Anarquismo e Socialismo. Daison Colzani e eu abrimos a discussão trazendo informações históricas, teorias e métodos utilizados pelos anarquistas.

Em épocas de colapso do reformismo, quando os partidos e organizações tradicionais da classe trabalhadora estão desacreditados pelas massas, graças as suas políticas de conciliação com a burguesia, a juventude radicalizada se aproxima muito das ideias anárquicas e socialistas. Por isso esse debate é tão importante para definirmos os métodos que a Liberdade e Luta adotará em seu combate contra o capitalismo.

O final da tarde estava livre para aproveitarmos a praia e descansarmos até as sessões de Cinedebate. Os filmes “Eles não usam black tie” e “Güeros” foram exibidos e discutidos por Thaís Aparecida e João Diego, respectivamente.

A programação cultural seguiu com o show “Canção Pra Quê?” de Vinícius Camargo, que emocionou a plateia com sua canção “Céu de Gaza”. A banda Nave Blues encerrou a noite de sábado, animando a todos com suas vibrantes composições.

Data post