MESA 2 | 2º seminário em defesa da educação pública, gratuita e para todos

lahs

 

Doralice de Lima Barreto
okjuy

"Como lutar pela educação pública, gratuita e universal construindo uma direção revolucionária na educação"

O camarada Luiz Devegilli expôs como lutar pela educação pública, gratuita e universal construindo uma direção revolucionária na Educação. Os principais apontamentos foram: O que é revolução e o que é ser revolucionário. Ser revolucionário é lutar pela destruição do Estado burguês (que atende os interesses da classe dominante), e construir no seu lugar um Estado proletário onde se inicie a abolição das classes. No Estado burguês se propaga a ideologia de conciliação de classes que dificulta os levantes dos trabalhadores na luta pela sua emancipação. A principal ideia disseminada em termos da conciliação de classes é a de que é possível humanizar e melhorar o capitalismo (reformismo), daí decorrem acordos com os patrões, feitos pelas direções que abandonaram a luta revolucionária. Nos sindicatos há uma grande crise de direção para as greves, convulsões políticas e agitações das massas. Os dirigentes da UNE estão no mesmo caminho, pois não organizam os estudantes para luta por uma educação pública, gratuita e para todos. Um exemplo é a defesa do ENEM que exclui milhões de jovens do ensino superior. O FUNDEB é outro engodo do Estado burguês que não amplia a educação e sim, limita verbas para ela. Em contraposição nossa luta pela educação pública, gratuita e para todos reverbera desde a Revolução Francesa. Para que alcancemos nosso objetivo precisamos nos organizar pela base onde atuamos e construir um partido revolucionário, sermos educados tanto na teoria quanto na prática revolucionária.

Iniciamos as intervenções com Péricles falando sobre a situação do Paraná sob o governo de Ratinho Jr. (apoiador de Bolsonaro) e a necessidade de preparar dirigentes para atuar nas direções sindicais que há tempos estão aparelhados e não atendem as causas da categoria.

asrg

Na fala de Israel, no estado do Amazonas, ele apresenta a situação dos estudantes que são silenciados pelos diretores e são desencorajados a lutar por uma educação de qualidade. A principal luta deve ser por melhorias e aberturas de mais escolas.

jsiasji

Renata Costa relata a greve de São Paulo - o retorno forçado às aulas presenciais que expõem professores e estudantes ao risco da pandemia. Há colapso na saúde, no sistema funerário. Ela também apontou a necessidade de pôr abaixo o governo Bolsonaro desde já, sem esperar 2022.

okih

Ana Claudia também retrata sobre São Paulo, na cidade de Caieiras. A situação precária mostra a contradição entre o “retorno seguro” e a realidade das escolas públicas, que não possuem condições para manter ninguém seguro da contaminação. Os professores estão se organizando por conta própria para lutar contra essa situação.

plkij

Jéssica Stolfi relatou a situação dos estudantes de Joinville -SC diante da falta de organização estudantil e os ataques à educação e o risco da pandemia. O DCE não mobiliza o combate dos estudantes.

lmas

Cassio Eduardo ressalta o problema da educação é que no sistema capitalista ela é uma mercadoria e que devemos explicar isso para mostrar como lutar realmente pela educação pública, gratuita e para todos. E fala também da necessidade de organizar a luta pela base.

jhnk

Elza Dias do litoral de SP fala sobre a situação da juventude que é excluída do ensino superior. E salienta a importância de modificar todo o sistema de ensino que já exclui desde a educação infantil, também da situação de professores que não tem sequer o reconhecimento enquanto professores e que são tidos como "auxiliares".

lm

Fernando Pessoa convoca todos os participantes para se colocar na luta pela revolução e assim, poder garantir uma educação que almejamos.

mmbh

Mara Cristina que foi ameaçada de morte por estudantes neonazistas e que temos feito uma campanha em defesa de sua vida desde 2019 também interveio falando da realidade da educação técnica. A educação para as massas é totalmente sucateada enquanto a educação de qualidade vai para elite. E que tudo isso interessa aos tubarões do ensino privado. Ela reforçou que é uma das signatárias da convocatória para o Encontro Nacional de Luta "Abaixo governo Bolsonaro" que será realizado no dia 10 de julho!

onbsa

Como encerramento Devegilli encaminha a publicação dos relatos apresentados sobre a situação em cada estado e finaliza reforçando a importância de organização e unidade entre estudantes e trabalhadores na luta por uma educação pública, gratuita e para todos.

çnbg

 

Data post